terça-feira, 7 de outubro de 2008

Mercado Financeiro

Na semana passada, uma série de eventos sem precedentes no setor financeiro dos EUA abalou os mercados mundiais, deixando varejistas e marcas receosos de que as já difíceis condições econômicas se agravassem ainda mais. A crise em Wall Street provocou mais uma quebra nas operações no mundo da moda e, para muitos, é a prova clara de que a expansão internacional pode ser o melhor remédio em curto prazo. Numa altura em que a indústria da moda estava começando a lidar com a realidade preocupante da crise do crédito, o aumento dos preços dos bens essenciais e a recessão iminente, o quarto maior banco dos EUA, o Lehman Brothers, abriu falência levando a uma quebra dos mercados. O efeito dominó viu também o gigante do investimento Merrill Lynch ser vendido ao Banco da América e a não menos gigante seguradora AIG a ter de conseguir, juntamente com o Governo Americano, uma "bóia salva-vidas" de 85 bilhões de dólares para sobreviver, numa semana que entra para a história como uma das mais terríveis de Wall Street.
Com a quebra dos mercados, o Goldman Sachs e o Morgan Stanley deixaram de ser bancos de investimento para passarem a ser empresas bancárias com uma regulamentação mais apertada. E o Congresso Norte-Americano estipulou um plano de salvamento de 700 bilhões de dólares para o setor, que ontem recebeu "luz verde" dos Democratas e Republicanos, no seguimento de uma intervenção preocupada de George W. Bush na semana passada. A turbulência subseqüente a esta crise financeira foi sentida no mundo inteiro, com a Bolsa de Valores da Rússia fechando temporariamente e o banco britânico HBOS concordando com a aquisição do Lloyds TSB.
O varejo também manifestou a sua preocupação. Numa intervenção no programa da BBC "Question Time", Simon Wolfson, diretor-executivo da rede de moda britânica Next, apoiou as intervenções iniciais do Governo na AIG e no HBOS. Para Wolfson, «a coisa mais importante que o governo tem de fazer - o que, para ser justo, já está sendo feito -, é, assim que os clientes começarem a ficar nervosos, agir e agir rapidamente. Quer seja o governo americano mexendo-se para segurar a AIG ou o governo britânico e a Lloyds agindo para apoiar o HBOS. É nisto que temos de nos concentrar em vez de exagerar o problema, que em si já causa muitas dificuldades».
O colapso dos bancos de investimento, a quem se atribui culpas pela concessão exagerada de créditos de alto risco, deve agora resultar em mais ajudas do governo, taxas mais elevadas e aumento do desemprego - o que não é o melhor para os varejistas e marcas após a crise do crédito. Além disso, os bancos já sob pressão devem apertar os regulamentos e aumentar as taxas sobre os empréstimos como resultado desta crise.
Na próxima semana voe poderá conferir as soluções que algumas marcas estão adotando para sobreviver à crise de Wall Street.

6 comentários:

Tássia Cavalcante disse...

meinaaa, to doida pra ver esse post sobre marketing!!! eu ia fazer um mini curso de marketing de moda para web, mas não tinha mais vagas =////

adorei esse post aqui!!

dá uma olhadinha no meu blog depois, pq eu mudei uma coisas... ai vc diz o que achou, tá?

Beijooos

Claudia disse...

Que a situação de lá vai melhorar,vai,mas acredito que depois de muitos abalos viu...E muitas mudanças...

Há quem diga que os Estados Unidos vão perder seu posto pra China ou pra Índia...

Há quem diga que os americanos estão pagando tudo o que fizeram a todo mundo ... o Bush...

ai,.....complicado ne ¹

mas o maior dos meus temores,é que afete mais ainda a nossa economia do Brasil,pobre de nós brasileiros.

Mariana Valente disse...

Agora com essa situação quero ver o Lula falar de novo sobre a crise "Ask Bush". Será que ele não percebe em como essa crise afeta muita coisa, principalmente o mercado dos alimentos aqui? Espero que a coisa melhore, pro nosso bem!

beijos querida :)

PS: como anda a mono?

Amandinha disse...

To crescendo né? kkk³
passo da hora já...

Meeenina, vc não saabe!
tirei foto hoje pra outra campanhãa
0o'
to beege, nem acredito! e ganhei 100 reais de cachê ainda!
uma puuta sorte não? kkk
diz a produtro Paula, que eu sou mto linda a cara da menina brasileira e blá blá... encheu minha bola né?! rsrs
To muuito Feliz ;)

Beeijinhos Fran

Cris disse...

Oi, Francielle! Nem me fale nessa crise, já está dando para sentir por aqui.
Mas e aí, conseguiu descansar? Você estava sem dormir. Trabalhar e estudar, como diz meu pai, não é para qualquer um, não.
Bjs!!!

Garotas de Vinte e Poucos disse...

Estou de volta! Dessa vez p/ ficar!!!

E... acredita que minha única preocupação com essa crise é: saco, tá chegando a promoção da Victoria's Secrets e o dólar subindo...... rs

bjo
*lala*